quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Pano Vermelho

Ao adentrar novamente em seu quarto, não pude deixar de notar. Não pude não me espantar. E quase não consegui acreditar.. que ao entrar... não foi nos seus olhos que olhei, nem foi seu insinuante corpo quase nu que admirei e nem foi sua boca que mirei. Tudo porque algo mais forte atraia meus olhares.

No canto do quarto, de baixo da cama havia um pano vermelho. Um familiar vermelho que me fez reconhecer aquele pedaço de pano.

Não era possível, como pude tê-lo esquecido?
E como pôde ter me deixado esquecer?

Seus olhos logo notaram que os meus não olhavam para os seus. Nem olhos, nem nada. E, enganados, te fizeram me questionar.
Mas não, não era para aquela social, branca e amarrotada que eu olhava, aliás, eu nem uso social, quanto mais branca. Era para aquele pedaço vermelho embolado que eu direcionava meu olhar. Aquele pano vermelho... como pude tê-lo esquecido?

Pano este que não espantou só a mim.
Assim como os meus olhos, os seus também se modificaram por causa do evento, no entanto, os seus encontravam arregalados, enquanto os meus sorriam. Sorriam como a minha boca.
Sua boca também sorria, porém seu sorriso forçado, restringia-se à boca, como o daquela blusa vermelha, que tinha como estampa, uma boca sorrindo. Enquanto a minha, tinha uma rosa branca. Rosa branca esta, que agora estava, além de branca, amassada, como a social branca que também estava no chão. E também não me pertencia.

13 comentários:

  1. hehe meio dificil entender o porq a fixação no pano vermelho mais legal hehe

    ResponderExcluir
  2. Gostei do ritmo pessoal do texto...
    Tem um jeito meio instável de descrever os fatos, mas combina com o estilo....

    Gostei!

    ;D

    ResponderExcluir
  3. Gostei do jeito que escreve. Meio instimista, meio detalhista. E com a leve ironia em certa parte do texto. bacana.


    visite: http://fernandaamylice.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Li pela segunda vez e ainda atormentado rs
    http://olhaissonet.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Lendo a postagem eu esperava outro final para a prosa poética!!! Não sei o porque.
    Parabéns e sucesso com o blogs.

    ResponderExcluir
  6. Gostei do blog, do texto...Maravilha!!!

    Parabéns
    http://cinemaparceirodaeducacao.blogspot.com/

    Lucyano

    ResponderExcluir
  7. cheguei aqui e pensei que ia encontrar algo sobre reggae. hehehe

    muito bom o texto. abraço

    ResponderExcluir
  8. texto muito especial, parabens pelo modo como escreve, instiga ir até o final, parabens mesmo. como no comentario esperava aalgo sobre reggae mas tem a frase da musica do Ponto de Equilibrio lá em cima, grata surpresa

    http://coisaspequenassimples.blogspot.com

    gostaria da sua opinião obrigado e novamente parabens

    ResponderExcluir
  9. Me prendi no pano e me esqueci do resto, haha! Bom o texto, gostei

    ResponderExcluir
  10. muito bom o texto. meio maluco, mas bem intimista

    ResponderExcluir
  11. Esse texto me fez lembrar do pano branco q era vermelho q o Robinho me devolveu hj . .rssrrs

    Mas serio agora
    esse foi meu preferido aki.

    Escreve de uma forma mt curiosa ... dá vontade de chegar logo no final e saber o q acontece . .mas com isso acabo tendo q ler denovo por não entender muito bem . .hauhsuahs. . .e já entendi e adorei .. Parabens . .quero ser como vc qnd crescer . .rsrs

    ResponderExcluir