sábado, 14 de agosto de 2010

Hei dever de volta o ver de.

Certo dia vi uma árvore imensa, com a raiz transbordando pelas calçadas e invadindo parte de uma movimentada rua do subúrbio carioca.
Parei e pensei, olhando para o teto do ônibus no qual eu me encontrava indo para algum lugar ao qual não me recordo... ''Que perigo isso! Essa porra vai acabar provocando algum acidente.''

E realmente já havia sido provocado pelo menos uns três, só naquela árvore. E se repararmos, não existe só aquela árvore com tais características. É de extrema facilidade encontrar casos assim espalhados por aí.

Os danos e os perigos causados nesse caso não se restringem à invasão numa auto-estrada.
Reízes descontroladas quebram calçadas, invadem quintais, destroem paralelepipedos, destroçam encanementos, e com esses fatores, geram alguns outros muitos fatores prejudiciais à vida nas nossas cidades de pedra, vigas e concreto.

Então eu pergunto...

O que tanto concreto faz em torno dessas lindas árvores?
E o que esse concreto faz no lugar das antigas árvores?

Árvores estas, que nos trazem benefícios que balanceiam os prejuízos causados pelo próprio concreto e tudo o que gira em torno dele.
Afinal, o que eu sei, ou que me contaram, rua era barro, esgoto era rio, o resto era árvore e concreto nem existia.
Mas infelismente, nós mudamos as coisas, as coisas e nós mudamos o mundo e a mudança quase nunca é pra melhor.

Resultado...
A densa fumaça ofuscou o sol, árvore virou poste para iluminar o que foi desiluminado e além do sol, não vejo luz no fim do túneo, muito menos na cabeça do ser humano devastador e desmatador.

Desmatar pra concretar. Vamos derrubar, enterrar e concretar essa idéia.

Um comentário:

  1. É histórico, já diziam que "o Brasil foi descoberto" e ignoraram aqueles que já viviam por aqui. Ao longo do tempo, apropriações e tomadas.

    Para quem possui um mínimo de poder, fazer alvos os mais fracos é rotina, não importa o tempo que o alvo está ali, qual a função, e tudo de bom que já produziu.

    O PROGRESSO, é assim... deixamos as raízes como entulho e formamos uma nova base, estruturada, sólida e de concreto.

    ResponderExcluir